Rede Morena, o Portal do Cacau
Rede Morena

O ASSASSINATO DO JORNALISTA MANOEL LEAL

Como foi o assassinato de Manoel Leal

Página 1
Jurista aponta falhas e omissões
Página 2
A investigação federal
Página 3
Os suspeitos e os investighadores
Página 4
O que fizeram e as falhas da Federal
Página 5
Falhas e omissões do delegado
Página 6
Falhas do promotor público e conclusão

Volta

As falhas do Inqueérito


Sobre os supeitos
     Marcone Sarmento: conhecido homicida nesta região, condenado e foragido da Justiça, mesmo assim costuma frequentar Itabuna, onde cultiva a amizade e proteção de pessoas influentes na cidade.
     Mozart Brasil: é agente da Polícia Civil da Bahia e apesar disso responde a processo criminal na 12a. Vara Crime de Salvador, já tendo sido preso uma vez. Seus salários são baixos, mas confessa ter pelo menos três veículos, um deles uma caminhonete com placa igual à da usada no crime, uma fazenda em Araças-BA com escritura lavrada em Santo Antônio de Jesus em nome de uma parente, contas em quatro bancos (Bradesco, Baneb, CEF e Bamerindus), além de ser dono da empresa Maveron que presta serviço de segurança à Viação Águia branca e à Viação São Pedro, onde tem inclusive carteira assinada.
     Roque Souza: já ganhou um dinheiro alto na loto, gastou tudo em pouco tempo e trabalha na empresa Norral, prestando serviços na Viação Águia branca em Salvador. Se diz amigo íntimo de Mozart a ponto de ajudá-lo em "investigações policiais" inclusive em Itabuna, no caso das fraudes do IPTU. É semi-analfabeto mas goza de privilégios especiais na Águia Branca, viajando de graça sem que seu nome conste na lista de passageiros, e é contratado pela empresa quando está de férias da Norral.
       Thomaz Iracy: diz que foi preso em Santo Antônio de Jesus (onde tem um comércio e onde Mozart lavrou a escritura do imóvel comprado logo após o crime) acusado de homicídio juntamente com seu filho. Afirma não ter amigos nem negócios em Itabuna.

Sobre os investigadores
     O jurista lembra que tanto o delegado João Jaques Valois quanto o promotor Ulisses Campos Araújo têm larga experiência profissional e tinham a obrigação de saber o tipo de crime que estavam investigando e que tipo de pessoas executam tais crimes. Ambos tinham a obrigação de checar toda e qualquer informação e sabem que tinham à disposição para isto várias formas de identificação, obtenção de informações sigilosas e apreenção de documentos.
     "Se por um lado o crime foi executado por profissionais, também é verdade que as apurações estiveram em mãos de agentes públicos que não podem se dizer menos preparados profissionalmente", diz o jurista.


©2000 Radio Morena - Este portal pertence à Rádio Morena de Itabuna, Bahia, Brasil. Se quiser entrar em contato conosco, mande fax para +55 (0)73 613-9807 ou e-mail para master@redemorena.com.